,

O que é Nutrologia pediátrica

A Nutrologia é a especialidade médica que estuda, pesquisa e avalia os benefícios e malefícios causados pela ingestão dos nutrientes, aplicando este conhecimento para a avaliação de nossas necessidades orgânicas, visando a manutenção da saúde e redução de risco de doenças, assim como o tratamento das manifestações de deficiência ou excesso.
O acompanhamento do estado nutricional do paciente permite ao nutrólogo atuar no diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças, contribuindo na promoção de uma longevidade saudável, com melhor qualidade de vida.
Entendendo um pouco essa especialidade podemos entender a importância da Nutrologia pediátrica para a criança, pois ela deve ter a garantia de receber a nutrição mais adequada para o seu crescimento e desenvolvimento, físico e mental.

A abrangência de atuação do nutrólogo pediátrico envolve:
– Aleitamento Materno
– Alimentação do Lactente
– Alimentação de Crianças e Adolescentes
– Crianças com baixa estatura
– Crianças que não comem adequadamente
– Prevenção e tratamento de Sobrepeso e Obesidade – Dislipidemias (alterações do colesterol)
– Prevenção e tratamento de Desnutrição
– Síndrome do Intestino Curto
– Erros inatos do metabolismo
– Anemias carenciais
– Deficiência de Vitaminas e Sais Minerais
– Doenças comprometedoras do estado geral, como: Fibrose Cística, Doença Celíaca, Neurológicas, Cardíacas, HIV, Síndromes Genéticas
– vegetarianismo

,

Dislipidemia na Infância

A dislipidemia é a alteração dos níveis sanguíneos de lipídeos circulantes, tendo como principal característica o aumento de colesterol e/ou triglicerídeo no sangue. Essa condição é um dos principais fatores para doença cardiovascular.
Mas criança pode ter “colesterol alto”? A resposta é sim. Existem as dislipidemias primárias, que são de origem genética, e as secundárias, decorrente principalmente dos quadros de obesidade ou hábitos alimentares ruins. O grande problema das dislipidemias é o fato de inicialmente ser uma condição assintomática, revelada apenas através da coleta de exame de sangue, porém o risco de doença cardiovascular já existe e aumenta conforme ela não é tratada.
A prevenção se baseia em uma alimentação rica em fibras, cereais integrais, frutas, verduras e peixes, além da pratica regular de atividade física. Nos casos familiares ou mais graves, em que os níveis de colesterol não conseguem ser controlados com essas medidas, pode ser indicado o tratamento medicamentoso